Acessar versão desktop

MODA

ACESSÓRIO

BEAUTÉ

LIFESTYLE

BLOGS

MARGOT STREET

O que é Coaching? Descubra como mudar seu futuro profissional

Instagram

16 / 11/ 2015 em: 

 JobLifestyle ; By Tuani Mallmann

Você pode até tentar se convencer de que está tudo sob controle, mas será que já não passou da hora de encontrar um profissional para te ajudar a organizar a vida – tanto a pessoal como a profissional – para que os resultados esperados sejam alcançados? Bom, o primeiro passo é reconhecer, e se você concordou com o que acabou de ler é porque talvez você precise de um coach em sua vida. E aqui entra mais um desafio: você sabe o que é Coaching?

 

Hum… vamos explicar através de uma metáfora que vai facilitar para você. Sabe quando você vê que está na hora de dar uma geral no closet? Colocar cada item em seu devido lugar, organizar as gavetas, abrir a janela, deixar o ar fluir… selecionar aquilo que é valioso, descartar peças para abrir espaço para outras, ou quem sabe, reaproveitar algo que você deixou de usar por alguma razão mas que ainda pode ser muito útil em seu dia a dia? Agora imagine transferir a ideia de que para tudo há uma solução – e se faltar gavetas a gente dá um jeito – para a sua vida profissional ou pessoal. É nisso que as Margots apostaram ao aderir às sessões de coaching da superprofissional Helena Selbach Schmidt. Expor os bastidores das peripécias da Margot Magazine, assim como focar no perfil de cada membro é exatamente isso: sair da zona de conforto para fazer tudo fluir e acontecer. E a mágica é possível.

 

Em um vídeo de apresentação em sua fanpage a nossa coach sintetiza o coaching como “uma ferramenta que busca trazer mais foco, definir propósitos e desenvolvimento pessoal. Atua como um grande GPS, que a gente usa para ajudar a localizar seu sonho, seu destino, aonde você quer chegar”.

 

o-que-e-coaching

Coach – Helena atua na área de desenvolvimento pessoal desde 2010, constantemente se atualizando em novas técnicas e buscando novos aprendizados

 

Instigadas com a premissa de que muitas vezes precisamos, sim, de uma orientação profissional para alcançar nossas metas (voltando à metáfora, quando seu closet está bem organizado não fica mais fácil escolher o look do dia? Sendo assim, isso não melhora o seu visual e, quem sabe, até seu estado de espírito?), as Margots ficaram curiosas para saber mais sobre a técnica e como ela pode contribuir no universo corporativo. Por isso fomos conversar com a expert que atende desde casos pessoais, como alguém que busca emagrecer, por exemplo, tanto os casos mais focados na ala profissional. Confira o bate papo:

 

Margot Magazine – Como funciona o coaching? A metodologia é a mesma para todos os tipos de pessoas e objetivos?
Helena Selbach Schmidt – A definição de coaching segundo a ICF (International Coaching Federation) é: Coaching é uma uma parceria entre o Coach (profissional treinado para entregar o processo de coaching) e o Coachee (pessoa que passará pelo processo de coaching), em um processo estimulante e criativo que o inspira a maximizar seu potencial pessoal e profissional, na busca do alcance dos seus objetivos e metas, por meio do desenvolvimento de novos e mais efetivos comportamentos. Em um contexto organizacional, as metas geralmente vêm da gestão e o escopo do coaching acaba sendo mais focado na empresa, onde se trabalha para alinhar o desejo da empresa com a motivação do funcionário. Como o coaching não é uma profissão reconhecida, não existe um órgão de controle quanto ao que está sendo trabalhado como “coaching”, então a metodologia usada por cada coach pode variar bastante. Hoje o órgão mais reconhecido no mundo é a ICF, que busca certificar seus profissionais dentro de um padrão de qualidade e ética rigorosos. No Rio Grande do Sul, só existem cinco coaches certificados até o momento.

 

Margot  – Como você definiria processo de coaching?
Helena – O processo de coaching funciona como um sistema de GPS… ajuda a pessoa a descobrir onde quer chegar, onde está hoje em relação a este objetivo, e várias rotas possíveis para chegar lá. O papel do coach é o do navegador, sentando ao lado do cliente e o ajudando a trilhar seu caminho, criando pontes entre seus potenciais e sua realidade, descobrindo talentos e maneiras de superar seus desafios, para que no final alcance suas metas. Geralmente se planeja um número de sessões entre dez e quinze, onde serão criados os passos para essa jornada.

 

Margot  – As sessões possuem uma estrutura para explorar os objetivos do coachee?
Helena – A estrutura básica de uma sessão de coaching é um início onde se explora o que o cliente está buscando para aquela sessão, como ele vai saber que atingiu seu objetivo, a realidade atual em relação a este objetivo, ideias para iniciar o movimento em direção ao objetivo, e um plano de ação para execução de algumas. Cada sessão é trabalhada de acordo com o que o cliente quer explorar naquele momento, mantendo sua meta do trabalho como um todo em mente. Em um contexto individual, o cliente muitas vezes não tem bem definida sua meta, então pode ser feito um trabalho prévio para criar condições deste cliente desenvolver seu objetivo dentro de parâmetros adequados ao coaching. Alguns desses trabalhos incluem análise de perfil, talentos, desafios, recomendações de trabalhos complementares com outros profissionais, entre outros.

 

Margot  – E em uma visão mais macro, de uma empresa que já possui uma história ou mesmo está iniciando, porém necessita de uma orientação para atingir suas metas?
Helena – O que geralmente acontece é um gestor contratar o coach para trabalhar com algumas pessoas da organização, desenvolvendo elas dentro daquilo que a empresa espera.  Digamos que uma empresa quer aumentar vendas. O coach provavelmente irá trabalhar com a equipe de vendas individualmente ou em equipe, para explorar suas metas, motivações, desafios, instigando a criatividade para gerar opções de soluções. Alguns coaches complementam seu trabalho com palestras e treinamentos, ou mesmo consultoria, se têm expertise na área que o cliente busca.  

 

Margot – O que o coaching pode oferecer para melhorar a vida profissional de um cliente?
Helena – O coaching pode oferecer vários benefícios, que vêm sendo comprovados ao longo de mais de trinta anos de utilização, de acordo com a demanda da pessoa ou empresa. O coaching trabalha dentro da demanda do contratante, pessoa física ou jurídica, e os benefícios atingidos serão de acordo com a meta deste contratante. Os profissionais que buscam o coaching por si podem receber vários benefícios, como melhorar suas habilidades de liderança, motivação, adaptação em novos cargos, escolha de carreira para seu perfil, organização financeira, melhorar relacionamentos, entre muitos outros. No caso das empresas contratantes, os benefícios são inúmeros: aumento de produtividade, alinhamento de equipes, alinhamento de pessoas e cargos, desenvolvimento de gestão, entre outros, gerando um aproveitamento mais eficiente dos recursos já existentes dentro da empresa.

 

coaching-5

Pontos fortes: um registro feito pelas Margots durante uma sessão de coaching. Café, embasamento teórico de quem entende do assunto, muito bate-papo e canetas coloridas para traçar metas e organizar a vida. 

 

Margot – De que forma o coaching pode explorar seus pontos fortes? Há também como trabalhar os “pontos fracos”?
Helena – O coaching pode explorar seus pontos fortes ajudando o cliente a reconhecê-los, enxergando as formas como estão sendo usados atualmente, e novas opções de como poderiam ser ainda mais aproveitados no contexto da sua meta. Muitas vezes as pessoas não se dão conta de todos os talentos que têm, ou não os valorizam como sendo um diferencial positivo seu. Os “pontos fracos” são trabalhados também, mas com o enfoque positivo de aprendizado e crescimento, não como um “conserto”. Por exemplo, se uma pessoa se diz desorganizada, no coaching isto será reorganizado para entender qual é a solução que ela vê para isso (“quero ser mais organizada”), gerando então maior autoconhecimento dos talentos que ela possui e que podem apoiar essa meta, assim como desafios que ela encontra no processo, e formas de lidar com estes desafios.

 

Margot – Como funciona para quem tem interesse? Quem deve fazer uma sessão de coaching?
Helena – Geralmente o coach oferece uma primeira conversa gratuita para entender a demanda do cliente, tirar dúvidas, explicar o processo e oferecer uma proposta de trabalho. Para pessoas físicas, as sessões normalmente acontecem no local de trabalho do coach, mas podem acontecer em lugar público, como um café, ou virtualmente (por Skype, Webex, ou outro). Para empresas, o coach tende a atender in company, também tendo pelo menos uma reunião prévia com os gestores para entender a demanda, o escopo do trabalho, os participantes, e questões de contrato. A duração das sessões no Brasil varia bastante, em média de 30 a 120 minutos, dependendo do profissional e do cliente. É importante também que o coach avalie se existe necessidade de incluir outros profissionais, como terapeutas, nutricionistas, contadores, advogados, etc… conforme for com cada cliente. Todo mundo que quer se desenvolver de alguma forma pode se beneficiar enormemente do coaching, utilizando esse processo para aumentar seu autoconhecimento e atingir metas desejadas. Basicamente, todo mundo que tem uma meta pode se beneficiar do processo de coaching, e quem não tem uma meta definida ainda e gostaria de ter, também! 

 

Margot – Como essa técnica, se assim podemos chamar, surgiu? 
Helena – O coaching como é conhecido hoje surgiu nos anos 70, nos Estados Unidos. Foi desenvolvido por um treinador de jogadores de tênis, Tim Gallwey, que escreveu um livro chamado O Jogo Interno do Tênis, onde descrevia suas observações sobre o funcionamento de aprendizado e motivação que descobriu através de experiências com seus jogadores. O termo “coach” surgiu muito antes, lá pelo ano de 1500 (e ainda pensam que coaching é novidade, né?), em referência aos tutores que iam dentro dos coches em viagens longas, instruindo seus alunos. Pelo ano de 1850, o termo ficou conhecido na Universidade de Oxford, se referindo mais uma a vez aos tutores que ajudavam os alunos a estudarem.

 

Margot – Qual o diferencial de coaching e terapia?
Helena – Existem algumas diferenças e semelhanças entre coaching e terapia: ambos são trabalhos de desenvolvimento pessoal, mas cada um aborda o tempo e foco do do seu jeito.  A terapia tem um foco maior no passado, em entender o porquê das dificuldades atuais, buscando compreender o problema e explora-lo.  A maioria das terapias tem duração indefinida, e não visa medir os resultados atingidos de forma concreta, mas sim uma melhora geral do paciente.  Quando a pessoa está em muito sofrimento, a terapia é mais indicada do que o coaching.  No caso do coaching, o foco maior é no presente e futuro, em entender o que a pessoa deseja alcançar, buscando entender a meta e explora-la, criando opções e experimentações para que a pessoa chegue lá.  A maioria dos trabalhos de coaching tem um prazo, onde se mede o resultado atingido neste período.  Usados em conjunto, o coaching e a terapia podem ser excelentes complementos.

 

o-que-e-coaching

Fonte: Sociedade Brasileira de Coaching

 

E aí, ficou empolgado e quer marcar um horário com a Helena? As Margots super indicam o trabalho dela! Entre em contato: contato@helenaschmidt.com.br ou (51) 8121-0035.

 

Fotos: Divulgação

 

instagram.com/margotmagazine

 

 



SEJA NOSSA AMIGA!

FAÇA O CADASTRO NA TUA REVISTA DIGITAL FAVORITA E FIQUE POR DENTRO DE TODAS AS NOVIDADES E SORTEIOS!


Instagram

Comentários

2

Comente

2 comentários em “O que é Coaching? Descubra como mudar seu futuro profissional”

  1. Cristina disse:

    Muito Interessante!!!! Eu não sabia ao certo como funcionava e fiquei mais interessada ainda!!! Parabéns pela matéria!!

  2. Andre Winter disse:

    Muito bacana a matéria. Na verdade esse é um trabalho muito interessante e de grande ajuda.Quem não precisa?

Você vai gostar também: