Acessar versão desktop

MODA

ACESSÓRIO

BEAUTÉ

LIFESTYLE

BLOGS

MARGOT STREET

Top 5 dos filmes que toda mãe de menino deveria assistir

Instagram

20 / 06/ 2017 em: 

 LifestyleQue mãe sou eu ; By Marcela Brown

A maternidade nunca vem sozinha. Com ela, está tudo-junto-incluído no pacote: aquele serzinho único colocado no mundo, uma explosão de sentimentos, as noites insones e experiências que nos fazem esquecer como a vida era antes do teste positivo de gravidez. Para cada filho, ou filha, um universo inteiro a ser desbravado, cada um com tantas peculiaridades que somente sendo mãe para conhecer cada uma delas por inteiro.

 

Sou mãe de menino e nossa relação tem aquela coisa de nos entendermos até mesmo através de um breve olhar. Não é fácil educar e direcionar alguém que se ama incondicionalmente e, falo por mim, desde que me tornei mãe nunca mais consegui assistir a um filme que tenha uma criança no centro da trama sem chorar rios de lágrimas: por mais diferentes que sejam as relações mãe e filho, sempre tem algo que, mesmo na dramaturgia, nos coloca a pensar.

 

Não sou cinéfila de carteirinha nem crítica da sétima arte, mas, se pudesse indicar os filmes que mais me tocaram como mãe de menino, eu indicaria este top 5 que segue. Os “mais antiguinhos” eu assisti novamente depois da maternidade e, lógico, as impressões foram diversas da vez primeira. Selecionei, propositalmente, os longas em que os meninos são filhos únicos, isso tecnicamente torna mais rica a exploração psicológica dos personagens infantis. Fica a dica!

 

TOP 5 dos filmes que toda mãe de menino deveria assistir

 

Sete minutos depois da meia-noite
(A monster calls, 2016)

Um menino muito adulto para ser uma criança e muito criança para ser um adulto. Aos, 13 anos, Conor lida com dificuldades terríveis para sua idade: a mãe sendo vencida por um câncer, o pai ausente, bulling e maus tratos na escola. Em meio a uma dinâmica psicológica de cortar o coração, o garoto imerge em um mundo de fantasia onde uma árvore falante e monstruosa passa a ser seu guia, auxiliando Conor a enfrentar seus problemas.

 

 

Coração Louco
(Crazy Heart, 2009)

O pequeno Buddy (Jack Nation) é personagem secundário na trama em que Bad Blake (Jeff Bridges) é um famoso cantor e compositor de música country. Blake conhece o garoto que muda sua vida em meio a uma trilha errante, permeada por depressão e alcoolismo. Tudo acontece quando Jean Craddock (Maggie Gyllenhaal), jornalista e mãe solteira do pequeno enxerga no músico um grande coração e assume o risco de viver uma relação que transforma para sempre o destino de Bad Blake.

 

 

Coincidências do Amor
(The Swiutch, 2010)

A destemida Kassie Larson (Jennifer Aniston) torna-se mãe de um menino através de produção independente, mas jamais encontrara um homem com quem pudesse manter relacionamento duradouro. Depois de muitos anos, ela reencontra o seu melhor amigo, Wally (Jason Bateman), e a comédia romântica começa a acontecer tendo como pano de fundo um garoto cheio de maturidade e manias, muito parecido com o BFF da mãe.

 

 

Onde Vivem os Monstros
(Where the Wild Things Are, 2010)

Inconformado em levar um castigo da mãe (Catherine Keener), Max (Max Records), fantasiado de lobo, resolve fugir de casa e, para sua surpresa, aparata em uma ilha repleta de monstros. Aproveitando-se da situação, o menino ludibria o bando, dizendo-se muito poderoso e acaba tornando-se líder do grupo. Em meio a um misto de drama e diversão, o rapaz enfrenta dilemas psicológicos que só um menino perdido em uma ilha de simpáticos monstros poderia enfrentar. Este filme, em especial, é uma delícia para assistir com os pequenos, eles vão amar!

 

 

Mentes que Brilham
(Little man tate, 1991)

Marca impressa na alma dos anos 1990, Mentes que Brilham é para testar o coração de mães de todas as décadas. Aos sete anos, Fred Tate (Adam Hann-Byrd) demonstra habilidades intelectuais precoces e, ciente de seu dom, carrega consigo a responsabilidade e as consequências intrínsecas a ele. Ele vive com Dede Tate (Jodie Foster), sua mãe, garçonete que teme que o filho seja visto como anormal. O drama psicológico se dá quando a mãe do menino é convidada a pensar no quanto pode estar limitando o potencial de Fred, que já lida com o fato de ser super dotado.

 

 

Vídeos e fotos: Reprodução/Web



SEJA NOSSA AMIGA!

FAÇA O CADASTRO NA TUA REVISTA DIGITAL FAVORITA E FIQUE POR DENTRO DE TODAS AS NOVIDADES E SORTEIOS!


Instagram

Comentários

0

Comente

Você vai gostar também: