Acessar versão desktop

Quantas horas por dia você fica no WhatsApp?

Margotmagazine avaliações no TrustedCompany.com Instagram

02 / 10/ 2017 em: 

 Margot na TPMNão Sou Obrigada ; By Bruna Schneider

A cena é um encontro entre amigos. Devido à correria do dia a dia, o grupo não consegue se ver com tanta frequência. Para assuntos mais corriqueiros, eles conversam através de um grupo de WhatsApp. Na verdade não é beeem uma conversa, é mais um aglomerado de risadas com os melhores gifs e memes da semana.

Quantas horas por dia você fica no whatsapp

O grupo finalmente se encontra em um bar, para, como disseram, “matar a saudade” e saber o que há de novo. A noite chega, todos se saúdam, e 15 minutos depois todos estão reclusos com seus smart phones nas mãos, rolando seus feeds para saber o que há de novo.

 

Cena clássica, não é?

 

Momentos assim têm me angustiado já faz um bom tempo. Vale ressaltar que sou uma entusiasta e apaixonada por tecnologia. Por mais que eu tenha uma certa fobia de WhatsApp, acho todos os aplicativos de redes sociais sensacionais! Inclusive, eles são a minha fonte de renda mensalmente. Mas qual é o limite?

Quantas horas por dia você fica no whatsapp

Uma pesquisa divulgada pelo Daily Mail afirma que os homens chegam a manter o celular por perto 17 horas diárias, enquanto que as mulheres ficam por 15. O mesmo estudo mostra que em uma noite típica os britânicos gastam 48 minutos em telefonemas, enviam uma média de três e-mails, 12 mensagens de texto e duas fotos. Ah, e ainda postam três mensagens e duas atualizações no Twitter.

 

Alguma diferença entre eles e nós?

 

Sherry Turkle, psicóloga norte-americana do MIT, dedicou um bom tempo de sua vida para estudar este fenômeno. Segundo ela, “Nós nos escondemos uns dos outros porque é mais fácil compor e editar uma mensagem digital do que a conversa espontânea na qual podemos estar presentes e ser vulneráveis”. Alguns de seus entrevistados reconhecem que preferem “enviar uma mensagem” em vez de ter uma conversa “incômoda” com outra pessoa “na qual não podem controlar o que vão dizer”.

 

Ou seja, a vida real incomoda, expõe nossos medos e nossas fragilidades. É fácil de inibir nossas ações por causa disso. Antigamente nós nomeávamos este fenômeno de timidez. Como podemos chamar hoje em dia?

 

Não estou aqui bancando a analógica que coloca uma placa “Não temos wi-fi, conversem entre vocês”. É chato. Mas um equilíbrio sempre vem bem. É desumano disputar a atenção de alguém com um dispositivo que coloca o mundo ao seu alcance. A vida ali é muito melhor, mais bonita, os filtros são ótimos e você pode conversar com quem quiser a qualquer momento. Não é sensacional? Mas a vida real e a conversa olho no olho também satisfaz, provoca, desperta sentidos.

 

Levantar a cabeça e olhar ao redor não é apenas um exercício para corrigir postura, mas também deixa as nossas relações mais saudáveis.

 

Leia também:

Preocupações desnecessárias dos 20 e poucos anos (ou qualquer idade mesmo)

Vida em modo automático: não sou obrigada

O que esperar da minha carreira?

 

Imagem: Web/Reprodução

 

Margotmagazine avaliações no TrustedCompany.com Instagram

Comentários

0

Comente

Você vai gostar também:

  • A geração que não pode simplesmente largar tudoA geração que não pode simplesmente largar tudo Na última semana, um texto da autora Ruth Manus apareceu, no mínimo, umas vinte vezes na minha timeline. Tratava-se de um desabafo (ou seria um encorajamento?) de uma […]
  • Shine theory ou como parar a rivalidade femininaShine theory ou como parar a rivalidade feminina Imagine a cena:   Quatro amigas estão em um bar, bebendo uma boa cerveja - ou um bom clericot, como preferir - e colocando a conversa em dia após algumas semanas […]
  • Carta sincera a 2017Carta sincera a 2017 Olá, 2017. Sei que ainda não te conheço, mas já te considero pacas. Esta consideração vem após um período não muito fácil, mais conhecido como 2016. Pode ser uma mania […]